Poluição pode alterar hormônio do estresse 22 ago 2017

Na ocasião, pesquisadores instalaram purificadores de ar nos dormitórios dos alunos durante 9 dias. Após esse período, os filtros foram removidos. Outro teste foi realizado com filtros que não funcionavam. Para finalizar, avaliaram a urina e o sangue desses alunos onde encontraram moléculas indicando exposição à poluição. A partir disso, identificaram que as taxas de hormônios do estresse subiram com o ar mais sujo. Os níveis de açúcar, aminoácidos, ácidos graxos e lipídios também.
A exposição à poluição foi associada, ainda, a pressão arterial alta. E segundo especialistas, pode ser considerada, ao longo do tempo, gatilho para doenças cardíacas e diabetes. O estudo mostra que é necessário fornecer informações e recomendações clínicas para pessoas com doenças cardíacas que moram em regiões onde há grande poluição do ar.
É preciso que a sociedade se conscientize e cuide do meio ambiente. Todos vivemos expostos aos riscos da poluição do ar e somos parcialmente responsáveis.
 A mudança pode começar dentro de casa, no nosso cotidiano. Por isso, o Hospital Bom Jesus separou dicas simples e que podem ajudar na redução da poluição:
• Dar preferência a alimentos orgânicos, pois são opções saudáveis e que não poluem o meio ambiente.
• Reduzir o desperdício de alimentos.
• Não despejar óleo de fritura na pia da cozinha.
• Não descartar móveis usados em terrenos abandonados.
• Descartar pilhas e baterias em locais apropriados.
• Reciclar e separar o lixo, pelo menos o seco e o orgânico.
• Evitar e controlar queimadas.
Cuidar do meio ambiente é cuidar da saúde. É viver melhor e por mais tempo!