Novembro azul: precisamos falar sobre câncer 16 nov 2017

O câncer é a segunda causa de mortes no Brasil. O nome é dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento maligno de células que acometem tecidos e órgãos, podendo se espalhar para outras regiões do corpo.
Cigarro, sedentarismo, má alimentação e poluição estão entre os principais fatores de risco para o surgimento de tumores. O número de mortes no Brasil por causa do câncer aumentou 31% desde 2000. No final de 2015, havia 223 mil pessoas afetadas por ano. A Estimativa do Instituto Nacional do Câncer (Inca), aponta 600 mil novos casos de câncer no país juntando os anos de 2016 e 2017. Aproximadamente 180 mil casos serão de pele não-melanoma. Os outros dois mais frequentes são o de próstata em homens, estimando 61 mil novos casos, e câncer de mama que chega a marcar 58 mil novas mulheres.
Um terço de todos os cânceres obtém quatro principais fatores de risco: tabaco, obesidade, álcool e sedentarismo. Algumas medidas podem ser adotadas para evitar o surgimento de tumores. Entre as ações individuais a alimentação saudável, não fumar, não consumir álcool em excesso e ter uma atividade física regular valem a pena e ajudam na prevenção.
 
WhatsApp Image 2017-11-17 at 13.01.52
 
 
É preciso alertar para ampliação de campanhas para o diagnóstico precoce da doença e que a população não negligencie os sintomas. As chances de cura são de 90%, quando diagnosticado em fase inicial. Por isso, campanhas como o novembro azul e outubro rosa são tão importantes.

O futuro do câncer

Cientistas estimam o aumento de 70% de casos de câncer nos próximos anos. Aproximadamente 21 milhões de pessoas podem ser diagnosticadas com a doença até 2032. Os números assustam, mas há caminhos para reduzi-los. Os principais passos são: acesso a informação, conscientização, alertas sobre os fatores de risco, campanhas de prevenção, mapeamento genético e acesso aos tratamentos.
Grande parte dessa redução de números está em nossas mãos. Previna-se! Manter uma vida saudável é o melhor tratamento.