HBJ alerta sobre a importância da identificação precoce do autismo 03 abr 2017

Nesta semana – 02 a 08 de abril – todas as atenções se voltam para o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Na Semana de Conscientização do Autismo, o que se busca é alertar sobre a importância da qualificação profissional para a identificação precoce dos sinais do TEA, a tolerância às diferenças e uma maior divulgação tanto do transtorno quanto dos sintomas, do acesso e do tratamento.
Especialistas do Hospital Bom Jesus esclarecem que o diagnóstico do autismo é clínico e realizado por meio da observação direta do comportamento da criança e de entrevista com os pais ou responsáveis. Os sintomas podem estar presentes antes dos três anos de idade. É importante que se faça um diagnóstico diferencial, identificando a presença de quadros associados e doenças, para que sejam feitas intervenções apropriadas a cada caso. A abordagem multiprofissional e o uso de escalas e instrumentos de triagem e avaliação padronizados são de grande valia nesse processo, possibilitando assim uma maior segurança no estabelecimento do diagnóstico.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que existam 70 milhões de pessoas com autismo no mundo. Já no Brasil, a estimativa é de que 2 milhões de pessoas possuam algum grau do transtorno. Com níveis de comprometimento classificados em graus leve, moderado ou severo, a síndrome pode atingir uma a cada 50 crianças, sendo sua prevalência maior em meninos, na proporção de 3 homens para uma mulher. O distúrbio afeta o desenvolvimento neurológico, caracterizando prejuízos na comunicação, na interação social e no comportamento.

Tratamento

O tratamento do autismo é multiprofissional e pode haver ou não o uso de medicamentos, conforme os sintomas apresentados individualmente. Envolve a terapia psicológica, psicoeducacional, fonoaudiológica, terapia ocupacional, psicomotricidade e orientação familiar. Alguns casos ainda podem se beneficiar de outras terapias como a equoterapia, musicoterapia e também de um planejamento nutricional específico. Ressalta-se que para cada paciente a equipe deve elaborar um Projeto Terapêutico Individualizado (PTI) possibilitando que o indivíduo receba um tratamento mais adequado.

Níveis de Autismo

A Escala de Avaliação do TEA na Infância – Childhood Autism Rating Scale (CARS) – aborda 15 itens que auxiliam o diagnóstico e identificação de crianças com autismo e diferencia o grau de comprometimento do Transtorno. Entre os quesitos avaliados estão: interação com as pessoas; imitação; resposta emocional; uso do corpo; uso de objetos; adaptação à mudança; reação a estímulos visuais e auditivos; a resposta e uso da gustação, olfato e tato; medo ou nervosismo; comunicação verbal e não verbal; nível de atividade; o nível e a coerência da resposta intelectual e, finalmente, as impressões gerais.