Brasileiros estão cada vez mais obesos 26 jun 2017

A Organização Mundial de Saúde (OMS) aponta a obesidade como um dos maiores problemas de saúde pública no mundo. A projeção é que, em 2025, cerca de 2,3 bilhões de adultos estejam com sobrepeso; e mais de 700 milhões, obesos. O número de crianças com sobrepeso e obesidade no mundo pode chegar a 75 milhões, caso nada seja feito.
No Brasil, segundo o Ministério da Saúde, por meio de um levantamento realizado pela Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), um em cada cinco brasileiros maiores de 18 anos está acima do peso. A prevalência da doença passou de 11,8%, em 2006, para 18,9%, em 2016.
Esse quadro reflete a transição alimentar no Brasil, que antes era a desnutrição e agora está entre os países que apresentam altas prevalências de sobrepeso e de obesidade. Ao mesmo tempo que o país conseguiu sair do mapa da fome da Organização das Nações Unidas (ONU), alcançando níveis inferiores a 5% desde 2014, os brasileiros estão ficando cada vez mais obesos.
O crescimento da obesidade colabora para o aumento da prevalência de várias doenças, como: diabetes, hipertensão, problemas cardíacos – e até câncer é mais prevalente em pessoas acima do peso. As doenças crônicas de saúde poderiam ser prevenidas com a prática regular de atividades físicas e uma alimentação saudável, livre de produtos processados e ultraprocessados.
“O emagrecimento precisa ser gradual, aos poucos, evitando o máximo o uso de medicamentos. O ideal é seguir uma dieta pobre em carboidratos e em gorduras saturadas. Invista em uma salada bem caprichada com verduras, legumes e folhas verdes. Apenas um entre três adultos consome frutas e hortaliças durante os cinco dias da semana.”, esclarece o clínico geral do Hospital Bom Jesus de Congonhas, Wagner Ferreira Souza.
Nesse sentido, alguns produtos devem estar fora do cardápio para quem deseja perder peso, como: enlatados, embutidos, congelados, preparações instantâneas, refrigerantes, salgadinhos, frituras, doces, refrescos em pó, temperos prontos, margarinas, iogurtes industrializados, queijinhos petit suisse, macarrão instantâneo, sorvetes, biscoitos recheados, achocolatados e outras guloseimas.