Automedicação é altamente prejudicial à saúde 13 nov 2017

Sabemos que a automedicação é perigosa e contra-indicada pelos médicos.  Todos os dias uma pessoa morre por uso inadequado de medicamentos. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), as falhas cometidas ao fazer o uso de medicamentos sem recomendação de um especialista da saúde, podem gerar danos graves e levar até a morte.  A Organização deseja reduzir pela metade os números relacionados aos erros de medicação até 2022.
Cerca de 10% da população brasileira faz o uso de cinco ou mais remédios por dia, segundo estudos de faculdades farmacêuticas, realizados em 272 cidades de norte a sul do Brasil. A pesquisa revelou que as doenças que mais levam os pacientes a comprar tantos medicamentos são: colesterol alto, hipertensão, reumatismo, depressão e diabetes.
A preocupação é que tantos remédios sendo utilizados de uma só vez acabem prejudicando a saúde, como por exemplo, cortar o efeito um do outro, ou até dobrar o efeito dos medicamentos.

Confira alguns dos erros mais comuns no uso de remédios:

Remédio X Medicamentos: algumas pessoas fazem o uso de remédios caseiros como se fossem medicamentos. Isso pode adiar o tratamento efetivo de alguma enfermidade, ou dor. Remédio é aquele que alivia e auxilia, mas não tem ação comprovada em doenças por estudos. O medicamento é aquele composto comprovado por diversas pesquisas e possui registro na Anvisa. Todo medicamento é remédio, mas nem todo remédio é medicamento.
Indicação: várias doenças possuem sintomas parecidos, ou até mesmo iguais. É comum recebermos indicações de amigos, vizinhos ou parentes quanto a qual medicamento tomar em diversas situações. Mas fazer o uso sem recomendações médicas pode prejudicar a saúde.
Comprar medicamentos com a embalagem violada ou vencida: a caixa do medicamento, e sua embalagem interna, devem estar devidamente lacradas.
Achar que o remédio vendido sem receita não traz riscos e não exige orientação: dores de cabeça quase fazem parte do nosso cotidiano. Um grande exemplo, neste caso, são os remédios para esse mal. Até eles precisam ser indicados por um médico.
Cortar o remédio ao meio ou abrir a cápsula: isso muda a maneira como o organismo absorve o medicamento. Traz uma série de efeitos colaterais e não atinge o objetivo do tratamento inicial, além de ser perigoso para a saúde.
Sempre que for a uma consulta, leve uma lista com todos os medicamentos que você usa. Nessa lista inclua chás e remédios naturais. Informe se é alérgico, se faz o uso de bebidas alcoólicas ou fuma. E até se tem dificuldade para engolir cápsulas. Todo cuidado é pouco. Com essa informações é possível que o especialista personifique e enquadre cada medicamento que necessitar no seu cotidiano de forma correta.